FREDY - diário de um ato(r)

traduzindo
em edição

terça-feira, 13 de maio de 2008

- Vão voar.
Mas já foi, existe não
Essa é uma gravação.

Cai um pássaro.
Para tudo.
Um homem Brando, vai ao pássaro, toca-o.
Recebe-o.
Guarda-o nas mãos enquanto fala.

H. Brando- Cheguei num vôo por aqui
Vivo.
Um vôo.

Mas que adianta se
É amputado?
Se pena que rabisca vem da minha asa esquerda?

Alguém que quer
Chegar ao sol
...Ícaro...
E caí queimando
Eu sei.
Pássaro satélite.
É só pousar que
É amputado.

Um velho grisalho, vai atravessar a rua.
Ele roubou um livro.
Mas a pessoas nem o leu.
Ele diz que foi um favor.

H. Brando- Cada criação, uma melodia
Não deixa que eu sei.
Medo medo medo
Essa arte sinovial!

Farol vermelho. O velho palitó do Velho vem atravessando.

H. brando- Imagina que esse
Velho esteja contra
A maré de gentes
Da liberdade
E tromba todos.
Ele desvia...
A massa gosta da massa
E de se amassar
E voando alto, só quem
Voa alto fora das paredes
Esburacadas
De arte de ratos
Sente o prazer de sua
Aerodinâmica...

Aerodinâmica das balas.